REGRAS TÉCNICAS

PESAGEM

  1. A pesagem dos competidores não deve ocorrer antes de 2 horas antes do início da competição para uma (ou mais) categoria(s) particular(es). Todos os atletas na(s) categoria(s) devem participar da pesagem, que será realizada na presença de dois/três árbitros indicados. Categorias de peso podem ser combinadas em uma sessão única de levantamento.
  2. Se não estiverem feitos, grupos serão sorteados para estabelecer a ordem de pesagem. Sorteios também serão feitos para definir a ordem de levantamento durante a competição quando os atletas pedirem os mesmos pesos para as suas tentativas.
  3. O período de pesagem irá durar 1 hora e meia.
  4. A pesagem de cada competidor ocorrerá em uma sala com a porta fechada, apenas com o competidor, seu técnico (treinador) ou empresário e os dois/três árbitros presentes. Por razões de higiene, o atleta deve usar meias ou papel toalha na plataforma da balança. Atletas deverão se identificar com documento pessoal válido.

5.Os atletas podem ser pesados nus ou em roupas íntimas que estejam em conformidade com as especificações estabelecidas na seção apropriada do livro de regras e que não alterem efetivamente o peso do atleta. Se existe uma questão sobre peso de roupas íntimas, uma re-pesagem no nu pode ser solicitada. “Em competições em que ambos os sexos são concorrentes, o procedimento de pesagem pode ser alterado para garantir que os atletas sejam pesados pelos árbitros de seu próprio sexo. Funcionários adicionais (não necessariamente árbitros) podem ser nomeados para este propósito ”

Os atletas de deficiência / amputados que estão competindo em campeonatos de supino terão as seguintes adições ao seu ao seu peso corporal:

Para cada amputação abaixo do tornozelo: 1/54 do peso corporal. Para cada amputação abaixo do joelho: 1/36 do peso corporal.

Para cada amputação acima do joelho: 1/18 do peso corporal. Para cada falta de articulação no quadril: 1/9 do peso corporal.

Para atletas com membros inferiores defeituosos que necessitam de aparelhos ou dispositivos semelhantes para andar, o aparelho será considerado parte do membro natural e o atleta será pesado usando o aparelho.

  1. Cada atleta só pode ser pesado 1 vez. Apenas aqueles cujo peso corporal for maior ou menor que os limites da categoria em que se inscreveram podem voltar à balança. Eles devem retornar à balança e pesar dentro do limite de 1 hora e meia dado à pesagem, caso contrário serão eliminados da competição. Um atleta só poderá ser repesado enquanto o tempo e a progressão dos números de série permitirem. Um atleta só poderá ser pesado fora do limite de tempo de uma hora e meia se ele se apresentar dentro do limite de tempo, mas devido ao número de atletas tentando se pesar, ele não puder subir na balança. Então uma permissão para nova pesagem estará a critério dos árbitros. O peso do atleta não poderá se tornar público até que todos os atletas competindo na(s) categoria(s) particular(s) sejam pesados.
  2. Um atleta só  pode  pesar  na  categoria  em  que  foi  nominado  21  dias  antes  da  data  da  competição.  No caso em que os grupos são formados em uma classe de peso específico o grupo B e C competirá primeiro.

O grupo A deve ter no mínimo oito e no máximo quatorze atletas.

  1. Os atletas devem verificar as alturas dos suportes de agachamento e supino e os blocos para os pés antes do início da competição. A folha com as alturas dos suportes deve ser assinada ou rubricada, depois da verificação, pelo atleta ou treinador. É para o interesse dos atletas. Uma cópia desse documento oficial vai para o Júri, o Locutor e Chefe de mesa.

 

ORDEM DE COMPETIÇÃO

 

O Sistema de Round

  • Na pesagem, o atleta ou seu treinador deve declarar o peso inicial para os 3 levantamentos. Isso deve ser anotado no cartão apropriado da 1ª tentativa, assinado pelo atleta ou seu treinador e retido pelo oficial conduzindo a pesagem. O cartão do Locutor é o cartão apropriado da 1ª Então, serão dados ao atletas 11 cartões de tentativa em branco para serem usados durante a competição. Três para o agachamento, três para o supino e cinco para o terra. Cada levantamento é diferenciado pelo uso de cartões de cores diferentes. Tendo feito sua 1ª tentativa num levantamento, o atleta ou seu treinador deve decidir qual o peso requisitado na 2ª tentativa. O peso deve ser escrito no local indicado no cartão e entregue ao secretário da competição ou outro oficial indicado antes do término do tempo de 1 minuto permitido. O mesmo procedimento deve ser realizado para as 2ª e 3ª tentativas nos 3 levantamentos. A responsabilidade de entregar as tentativas no limite de tempo é exclusivamente do atleta ou seu treinador. No sistema de Round, a necessidade de muitos oficiais é eliminada, pois os cartões de tentativas são entregues diretamente ao oficial designado. Exemplos dos cartões de tentativas estão ilustrados abaixo. Lembre que o espaço das 1as. tentativas nos cartões em posse dos atletas só devem ser usados para a troca, permitida, da 1a tentativa se preciso. Da mesma forma os 4ºe 5º quadrados no cartão do terra só devem ser usados para as 2 trocas, permitidas, da 3ª tentativa do terra se preciso (requisitado). Em competições só de supino, um cartão similar ao do terra será usado.

 

Cartões de penalização

 

CARTÃO DO LOCUTOR

Nome, Sobrenome:

Data de nascimento:

Nação:

Peso corporal:

Classe:

Fórmula IPF:

Número do lote:

Assinatura do Atleta/técnico:

Disciplina

1a tentative

2a tentativa

3a tentativa

Melhor tentativa

 

Agachamento

     

Supino

     

Subtotal

    

Subtotal

Terra

     

Grupo: 1, 2, 3, 4, 5

Classificação:

Pontos Wilks:

Total

        

Cartões de Tentativas

 

AGACHAMENTO

 

Nome:

 

1a.

2a.

3a.

   

Assinado:

 
 

SUPINO

 

Nome:

 

1a.

2a.

3a.

   

Assinado:

 
 

LEVANTAMENTO DA TERRA

Nome:

1a.

2a.

3a.

   

3a

3a.

 
  

Assinado:

  • Em sessões com 10 ou mais atletas competindo, podem ser formados grupos com aproximadamente o mesmo número de atletas. No entanto, devem ser formados grupos quando 15 ou mais atletas estiverem competindo na mesma sessão. Uma sessão pode ser formada por uma única categoria de peso ou qualquer combinação de categorias de peso a critério do organizador com o propósito de apresentação. Em competições somente de Supino, grupos de até vinte atletas poderão ser formados.Os grupos serão determinados examinando os melhores totais dos atletas conseguidos em nível nacional ou internacional durante os 12 meses anteriores. Os atletas com os menores totais formarão o 1º grupo a levantar, e os totais maiores progressivamente formarão outros grupos à medida que se fizer necessário. Se um atleta não fornecer um total dos 12 meses anteriores, então ele será automaticamente colocado no 1º grupo a levantar.
  • Cada atleta fará sua 1ª tentativa no 1º round, sua 2ª tentativa no 2º round e sua 3ª tentativa no 3ºround.
  • Quando um grupo consistir de menos de 6 atletas, tempos compensatórios serão adicionados no fim de cada round como segue: para 5 atletas adiciona-se 1 minuto; 4 atletas adiciona-se 2 minutos; 3 atletas adiciona-se 3 minutos. Três minutos é a adição máxima permitida no final do round. Se um atletas seguir à si mesmo, e o relógio compensatório estiver operando, 3 minutos é a adição máxima permitida. Para tempo compensatório quando grupos estiverem envolvidos, os pesos serão tirados da barra no fim do tempo compensatório, a barra será recarregada, então será contado 1 minuto para começar a tentativa.
  • A barra deve ser carregada progressivamente durante cada round baseado no princípio de uma barra crescente. Em nenhum momento o peso na barra será diminuído durante um round, exceto em caso de erros como descrito no item (i), e nesse caso só no final do round.
  • A ordem de levantamento em cada round será determinada pelo peso escolhido pelo atleta naquele round. No caso de 2 atletas escolherem o mesmo peso, o atleta com o número de grupo menor sorteado na pesagem, levantará 1º . O mesmo se aplica ao 3º round de tentativas no terra, no qual o peso pode ser mudado 2 vezes, isso se a barra ainda não estiver carregada com o peso originalmente escolhido pelo atleta.

Exemplo: Atletas A: nº de série (ou de grupo) 5 coloca 250,0kg. Atletas B: nº de série (ou de grupo) 2 coloca 252,5kg.

O atleta A falha com 250,0 kg. O atleta B pode abaixar o peso para 250,0 kg para ganhar ? Não, a ordem de levantamento ainda é determinada pelo nº de série (ou de grupo).

  • Se não for bem sucedido numa tentativa, o atleta não se segue no levantamento, mas deve esperar o próximo round antes que possa tentar aquele peso novamente.
  • Se em um round uma tentativa não for bem sucedida devido a um erro no peso na barra, erro do ajudante ou falha do equipamento, o atleta será beneficiado com uma futura tentativa com o peso correto. Se a falha for um peso errado na barra e a tentativa não começou realmente, então o atleta poderá escolher entre continuar naquele momento ou fazer outra tentativa no final do round. Em todos os outros casos, o atleta fará sua tentativa extra no final do round. Se o atleta for o último no round, ele receberá 3 minutos de descanso antes de fazer a tentativa; penúltimo no round = 2 minutos; antepenúltimo no round = 1 minuto. Nesses casos em que os atletas seguem a eles mesmos e recebem tempo de descanso compensatório, a barra será carregada assim que a nova tentativa for entregue. O tempo compensatório será então adicionado ao 1 minuto usual para começar tentativa. O relógio começara a contar e o atleta terá aquele tempo para iniciar sua tentativa. Atletas seguindo a si mesmos terão 4 minutos marcados no relógio, durante esse tempo o atleta pode iniciar a tentativa assim que estiver pronto. Os penúltimos atletas no round receberão 3 minutos, antepenúltimos no round receberão 2 minutos, todos os outros receberão o 1 minuto usual para começar a tentativa.

Na terceira rodada do levantamento terra e  supino, se um atleta de qualquer razão receber uma nova tentativa extra do júri (barra carregada erroneamente, erro de Juiz ou falha do equipamento), o atleta receberá uma nova tentativa no peso correto, o atleta deve estar seguindo a si mesmo.

  • É permitido ao atleta uma mudança no peso da 1ª tentativa de cada levantamento. A mudança de peso pode ser para mais ou para menos que o entregue originalmente e a ordem de levantamento no 1º round mudará de acordo. Se ele estiver no 1º grupo, essa mudança pode ocorrer a qualquer momento até 3 minutos antes do início do 1º round daquele levantamento. Os grupos seguintes receberão o mesmo privilégio até 3 tentativas do final do último round do grupo anterior naquele levantamento. Aviso prévio desse prazo será anunciado pelo locutor. Se um aviso adequado desses prazos não for dado, então um anúncio autorizando essas mudanças será feito e o atleta poderá fazer a mudança dentro de 1 minuto após o anúncio.
  • O atleta deve entregar sua 2ª e 3ª tentativas dentro de 1 minuto depois de completar sua tentativa prévia. O 1 minuto será contado a partir do momento que as luzes forem ativadas. Se após uma tentativa válida nenhuma pedida for entregue dentro do minuto fornecido, o apontador acrescentará 2,5 kg ao movimento anterior e enviará para a súmula,dando sequência a round. Se após uma tentativa inválida nenhum a pedida for entregue dentro do
  • Pesos entregues para tentativas no 2º round nos 3 levantamentos não podem ser modificados. Da mesma forma, as 3ª tentativas para agachamento e supino não podem ser modificadas. Por essa regra, uma vez que uma tentativa é entregue, ela não pode ser revogada (retirada). A barra será carregada com o peso entregue e o relógio começara a correr.
  • No 3º round do terra, são permitidas duas mudanças. A mudança de peso pode ser para mais ou para menos do que a 3ª tentativa entregue previamente pelo atleta. No entanto, só são permitidas se o atleta não foi chamado para a barra já carregada com o peso entregue previamente.
  • Em competições apenas de supino, as regras são no geral as mesmas para as competições com os 3 levantamentos. No entanto, no 3º round, 2 mudanças de peso são permitidas e as regras estabelecidas no item “(m)” acima para terra se aplicam igualmente aqui.
  • Se uma sessão de levantamento consistir de um único grupo, por exemplo: até um máximo de 14 atletas , um intervalo de 20 minutos será dado entre os levantamentos. Isso é para assegurar tempo adequado para aquecimento e organização da plataforma.
  • Quando 2 ou mais grupos participam de uma sessão em uma única plataforma, o levantamento será organizado numa base de repetição de grupos. Não será fornecido tempo de intervalo entre os rounds (rodada) a não ser aquele necessário para arrumar a plataforma.

Após o término de cada disciplina, composta por mais de um grupo (agachamento, supino), deve ser dado um intervalo de 10 minutos entre as disciplinas.

Por exemplo: se houver 2 grupos participando de uma sessão, o 1º grupo irá completar os 3 rounds do agachamento. Eles serão seguidos imediatamente pelo 2º grupo que irá completar seus 3 rounds de agachamento. A plataforma será então arrumada para o supino e o 1º grupo irá completar seus 3 rounds de supino, imediatamente seguida pelo 2º  grupo que irá, da mesma forma, completar seus 3 rounds de supino. A plataforma será então arrumada para o terra e o 1º grupo irá completar seus 3 rounds de terra, imediatamente seguido pelo 2º grupo que irá também completar seus 3 rounds de terra. Esse sistema, portanto, elimina qualquer perda de tempo a não ser o necessário para arrumar a plataforma entre os levantamentos.

O Comité Técnico com a cooperação e assistência do organizador indicará os seguintes oficiais:

  • Locutor/anunciante: um Árbitro Nacional ou Internacional capaz de conversar em inglês e na língua da nação anfitriã.
  • Secretário técnico: um Árbitro Internacional preferencialmente capaz de conversar e escrever em inglês e na língua da seleção anfitriã.
  • Cronometrista (um árbitro qualificado).
  • Oficiais/Expedidores.
  • Auxiliares: código de vestimenta correto: pólo do evento ou pólo comum de cor lisa. Calças desportivas de cor uniforme. Calçados de treino ou desportivos. Shorts ou bermudas poderão ser usados em clima quente, conforme decisão do júri.

Oficiais adicionais podem ser indicados se necessários, como médicos, paramédicos, etc.

  • Controlador Técnico (um árbitro internacional qualificado)

Responsabilidades dos oficiais:

  • O locutor é responsável pelo andamento eficiente da competição. Ele atua como Mestre de Cerimónia e arruma as tentativas escolhidas pelos atletas de forma ordenada, de acordo com os pesos e, se necessário, nº de série. Ele anuncia o peso requisitado para a próxima tentativa e o nome do atleta. Quando a barra estiver carregada e a plataforma pronta para o levantamento, o Árbitro Chefe indicará o fato ao locutor. Quando o locutor anunciar que a barra está pronta e chamar o atleta para a plataforma, o cronómetro será disparado.

Para esclarecer – quando o locutor anunciar que a barra está pronta/carregada, então o atleta está comprometido a realizar a tentativa.

Tentativas anunciadas pelo locutor devem ser mostradas no placar (tabela de pontuação) suspenso numa posição de destaque, com os nomes dos atletas na ordem dos números de série (ou de grupo).

  • O Secretário Técnico deve estar presente na reunião técnica anterior à competição. Na ausência do Comité Técnico ou de um membro do Comitê, o Secretário Técnico irá compilar as listas de Júri e Árbitros, dos nomes dos árbitros declarados disponíveis para trabalhar durante a competição. Ele irá completar a lista de “Árbitros em serviço e Membros do Júri” necessários para a competição e informar aos árbitros as categorias às quais foram designados. Depois da reunião técnica, quando as inscrições finais das equipes estiverem compiladas, o secretário técnico irá iniciar uma folha de pontuação,folha em branco de equipamento,folha de altura de suporte e ordem de peso numa folha para cada categoria na competição, colocando os nomes de todos os atletas inscritos naquela categoria. Os grupos também poderão ser sorteados nesse estágio para estabelecer a ordem de pesagem e levantamento. Ele também fará os cartões de competição do locutor para cada atleta na categoria. A papelada acima juntamente com um suprimento adequado de cartões/tiras de papel com a tentativa dos atletas serão colocados num envelope adequado para cada categoria de peso na competição e entregues ao Árbitro Chefe daquela categoria. O secretário técnico estará presente em cada pesagem e aconselhará os árbitros em serviço sobre procedimentos e qualquer ponto que necessite atenção. Ele deve ser um Árbitro Internacional preferencialmente da nação “anfitriã” e capaz de lidar com qualquer problema que possa surgir devido a dificuldades de linguagem no local. É responsabilidade do diretor do encontro fornecer todos os formulários em branco e papeladas necessárias para possibilitar o trabalho do secretário técnico. Um dossier completo com a descrição do trabalho juntamente com toda a papelada relativa pode ser obtido com o Comité Técnico de graça, disponível para todos os Diretores de Competições.
  • O cronometrista é responsável por marcar exatamente o espaço de tempo entre o anúncio de que a barra está pronta e o início da tentativa pelo atleta. Ele também é responsável por marcar as adições de tempo sempre que necessário, por exemplo: depois de uma tentativa o atleta deve deixar a plataforma em 30 segundos. Uma vez que o relógio estiver correndo para um atleta, só poderá ser parado pelo fim do tempo dado, pelo início do levantamento, ou a critério do Árbitro Chefe. Consequentemente, é de grande importância que o atleta ou seu treinador cheque a altura dos suportes de agachamento antes de ser chamado, pois uma vez anunciado que a barra está pronta, o relógio será accionado. Qualquer ajuste futuro nos suportes deverá ser feito no período de 1 minuto dado ao atleta , a não ser que ele tenha pedido uma altura no suporte e ela tenha sido colocada errada pelos auxiliares. Portanto, é essencial que a folha com altura do suporte seja assinada ou rubricada pelo atleta ou seu treinador. Esse é um documento oficial, que será verificado em qualquer contestação. É dado ao atleta 1 minuto para começar sua tentativa após chamá-lo para a barra. Se ele não começar sua tentativa nesse período de tempo, o cronometrista falará o tempo e o Árbitro Chefe dará o comando audível: “guarde” juntamente com um movimento do braço para trás.O levantamento será declarado “levantamento inválido” e a tentativa será perdida. Quando o atleta iniciar o levantamento dentro do tempo permitido, o relógio será parado. A definição de início de uma tentativa depende do levantamento que está sendo realizado. No agachamento e supino, o início coincide com o sinal para começar do Árbitro Chefe. Veja “Árbitros” item 3. No terra, o início é quando o atleta faz uma tentativa determinada para elevar a barra.
  • Oficiais/Expedidores: são responsáveis por recolher as tentativas de peso dos atletas ou seus treinadores e passar a informação sem demora para o locutor. O atleta tem 1 minuto entre terminar a última tentativa e informar ao locutor, através do oficial, o peso requisitado para a próxima tentativa.
  • Marcadores são responsáveis por marcar corretamente o progresso da competição, e no término, assegurar que os 3 árbitros assinem a folha de pontuação oficial, certificados de recordes ou qualquer outro documento que necessite assinaturas. O locutor deve fazer um anúncio disso antes que os árbitros se retirem do local.
  • Auxiliares são responsáveis por carregar (montar) e descarregar (desmontar) a barra, ajustar os suportes de agachamento e supino como requisitados, limpar a barra ou plataforma quando pedido pelo Árbitro Chefe, e assegurar que a plataforma esteja bem preservada e apresente sempre uma aparência limpa e arrumada. Em nenhum momento pode haver menos que 2 ou mais que 5 ajudantes na plataforma. Quando o levantador se preparar para sua tentativa, os auxiliares podem ajudá-lo a retirar a barra dos suportes. Eles também podem ajudá-lo a recolocar a barra depois da tentativa. No entanto, não podem encostar no atleta ou na barra durante a tentativa propriamente dita, por exemplo: durante o período de tempo entre os sinais de início e término. A única exceção a essa regra é se o levantamento está prejudicado e provavelmente resultará em lesão ao atleta, os auxiliares poderão, pelo pedido do Árbitro Chefe ou do próprio atleta, se aproximar e tirar a barra do atleta. Se o atleta for privado de uma tentativa bem sucedida por erro dos auxiliares e sem falha própria, será beneficiado com outra tentativa a critério do dos árbitros e júri no final da round.
  • O Controlador Técnico garantirá que o atleta é aquele anunciado e adequadamente equipado antes que ele suba à plataforma. Ele também deve participar do bom estado dos equipamentos.
  1. Durante qualquer competição que esteja ocorrendo numa plataforma ou palco, apenas o atleta  e seu treinador, membros do Júri, árbitros em ofício e auxiliares são permitidos ao redor da plataforma ou sobre o palco. Durante a execução do levantamento, apenas o atleta, auxiliares e os árbitros podem estar presentes na plataforma. Os treinadores devem permanecer na área designada aos treinadores como definido pelo Júri ou Oficial Técnico responsável. A área técnica deve ser feita de tal forma que permita ao treinador a colocar-se com uma boa vista para o atleta com a possibilidade de dar instruções e sinais para o atleta sobre os detalhes técnicos (por exemplo, a profundidade do agachamento).

A área técnica não deve estar numa distância superior a 5 metros da plataforma, e deve ser mais longa do que o deslocamento do levantamento, permitindo uma área de deslocamento para o treinador ver o atleta a partir de qualquer parte traseira, lateral ou ângulo frontal.

Uniforme para técnicos em eventos internacionais, ou fato de treino da equipe nacional ou um pólo aprovada pela IPF, bermudas ou shorts da equipe, ou aprovado pela IPF devem ser usados para que o o Júri identifique o técnico, que poderá ser excluido da área de aquecimento ou técnica caso não cumpra esta norma.

  1. O atleta não deve colocar a faixa, arrumar a roupa ou usar amónia à vista do público. A única exceção a essa regra é que ele pode ajustar o cinto.
  1. Em competições internacionais entre dois atletas ou duas seleções competindo em categorias de peso diferentes, os atletas podem se alternar independente do peso requerido para as tentativas. O atleta que pedir o peso mais leve em seu levantamento inicial levantará primeiro e portanto definirá a ordem para as tentativas alternadas durante aquele levantamento.
  1. Nas competições reconhecidas pela IPF, o peso da barra deve sempre ser múltiplo de 2,5kg a não ser em tentativas de recorde, no agachamento, supino e lev. Terra. A progressão deve ser de pelo menos 2,5kg entre todas as tentativas.
  • Em uma tentativa de recorde o peso da barra deve ser no mínimo 0,5 kg maior que o do recorde atual.
  • Durante o curso da competição um atleta pode requisitar uma tentativa de recorde que não seja múltipla de 2,5kg. Se a tentativa for bem sucedida, será acrescentada tanto ao levantamento individual como ao total.
  • Tentativas de recorde poderão ser feitas em qualquer ou em todas as tentativas prescritas do atleta.
  • Um atleta só pode usar incrementos menores que 2,5 kg para tentativas de recorde no campeonato em que ele estiver competindo. Ex.: um Master levantando em uma competição Open não pode usar menos de 2,5 kg para alcançar um recorde deMaster.
  • No caso de um peso divulgado para o próximo round, que não seja múltiplo de 2,5 kg para exceder o recorde, o peso será reduzido para o múltiplo de 2,5 kg mais próximo se um outro competidor exceder esse peso num round anterior.

Exemplo 1:

O recorde atual é 302,5 kg.

O atleta A agacha com 300 kg no 1º round, então pede 303,0 kg; o levantador B agacha com 305 kg no 1º round. A 2a tentativa do atleta A agora é reduzida para 302,5 kg.

Exemplo 2:

O recorde atual é 300 kg.

O atleta A coloca somente 1 kg de incremento (301,0 kg) tendo atingido sua primeira tentativa de 300 kg no cenário acima. O atleta B agacha com 305 kg no 1º round. O atleta A precisa agora acrescentar os 2,5 kg mais próximos acima (302,5 kg).

  1. O Juiz principal será o único responsável pelas decisões tomadas em caso de erro no carregamento da barra ou anúncios (chamadas) incorretos pelo locutor. Suas decisões serão dadas para o locutor que fará a chamada correta.

Exemplos de erros de carregamento:

  • Se a barra é carregada com um peso menor que o requisitado originalmente e a tentativa é bem sucedida, o atleta pode aceitar a tentativa bem sucedida ou escolher fazer novamente a tentativa com o peso originalmente requisitado. Se a tentativa não for bem sucedida, o atleta será beneficiado com outra (futura) tentativa com o peso originalmente requisitado. Em ambos os casos acima, as tentativas futuras só poderão ser realizadas no fim da round em que o erro o correu.
  • Se a barra é carregada com um peso maior que o pedido originalmente e a tentativa for bem sucedida, o atleta será beneficiado com a tentativa. No entanto, o peso pode ser reduzido novamente se requisitado por outros levantadores. Se a tentativa não for bem sucedida, o atleta será beneficiado com uma tentativa futura no fim do round em que o erro ocorreu.
  • Se o carregamento não for o mesmo em cada ponta da barra; ou qualquer mudança ocorra com a barra ou anilhas durante a execução do levantamento; ou a plataforma estiver desarrumada, se apesar desses fatores, o levantamento for bem sucedido, o atleta pode aceitar a tentativa ou escolher fazer a tentativa mais uma vez. Se a tentativa bem sucedida não for um múltiplo de 2,5 kg, então o menor múltiplo de 2,5 kg mais próximo será marcado na folha de pontuação. Se a tentativa não for bem sucedida, o atleta será beneficiado com uma tentativa futura. As tentativas futuras só ocorrerão no fim do round em que o erro ocorreu.
  • Se o locutor errar por anunciar um peso menor ou maior que o requisitado pelo levantador, o Árbitro Principal tomará as mesmas decisões que em erros no carregamento.
  • Se por alguma razão não for possível ao atleta ou seu treinador permanecer na proximidade da plataforma de forma a acompanhar o progresso da competição e o atleta perder sua tentativa porque o locutor não o anunciou no peso apropriado, então o peso será reduzido o necessário e o levantador permitido a realizar sua tentativa, mas apenas no fim da round.
  1. Três tentativas mal sucedidas em qualquer levantamento eliminarão automaticamente o atleta da competição pelo total, mas ele ainda pode competir por premiação nos levantamentos individuais caso realize uma tentativa verdadeira em cada uma das disciplinas, ou seja, dentro da sua capacidade. Caso isso seja questionável o Júri irá decidir.
  1. A não ser para a remoção inicial da barra dos suportes, o atleta não receberá qualquer ajuda dos auxiliares para se posicionar para a tentativa.
  1. No fim da tentativa, o levantador deve deixar a plataforma em até 30 segundos; a falha em cumprir essa regra pode resultar em desqualificação da tentativa a critério dos árbitros. Esta regra foi criada para atletas que podem ter se machucado (lesionado) durante a realização do levantamento, ou talvez para os menos aptos fisicamente, como o levantador cego.
  1. Se, durante o aquecimento ou a competição, um atleta se lesionar ou de outra forma exibir sinais de uma condição que possa excessiva ou significativamente por em risco a sua saúde e o bem estar do competidor, o médico oficial tem o direito de examinar. Se o médico não considerar aconselhável que o atleta continue, ele pode, em consulta com o Júri, insistir no afastamento do atleta da competição. O Chefe da Equipe ou o Técnico Responsável deve ser informado de tal decisão oficialmente.

Para evitar contaminação uma solução de uma parte de alvejante (água sanitária) para dez partes de água é recomendada para limpar o sangue, ou tecidos da barra ou da plataforma, e também da área de aquecimento quando ocorrerem “acidentes”.

  1. Qualquer atleta ou treinador, que por razão de má-conduta na plataforma de competição ou próximo dela estiver prestes a desonrar o desporte, será advertido oficialmente. Se a má conduta continuar, o Júri, ou Árbitros na ausência do Júri, podem desqualificar o levantador ou o treinador e ordenar que o atleta ou treinador deixe o local. O Chefe da Equipe deve ser informado oficialmente tanto da advertência quanto da desqualificação.
  1. O Júri e Árbitros podem, por decisão da maioria, desqualificar imediatamente um atleta ou oficial se eles acreditarem que qualquer má conduta seja séria o suficiente para justificar a desqualificação imediata ao invés de uma advertência oficial. O Chefe da equipe deve ser informado da desqualificação.
  1. Em competição internacional, todas as apelações contra as decisões do árbitro, reclamações sobre o progresso da competição ou contra o comportamento de qualquer pessoa ou pessoas participando da competição devem ser feitas para o Júri. O Júri pode requerer que a apelação seja por escrito. A apelação ou queixa deve ser apresentada ao Presidente do Júri pelo chefe da equipe, treinador ou em sua ausência pelo atleta . Isso deve ser feito imediatamente após a ação sobre a qual a apelação ou queixa é feita. Ela não será considerada se esses termos não forem seguidos.
  1. Se considerado necessário, o Júri pode suspender temporariamente o progresso da competição e se retirar para decidir o veredicto. Depois de todas as considerações e chegando a um veredicto pela maioria, o Júri retornará e o Presidente irá informar ao queixoso sua decisão. O veredicto do Júri será considerado final e não haverá direito de apelação a nenhum outro organismo. Quando a competição for recomeçada, o próximo atleta terá três minutos para iniciar seu levantamento. No caso da queixa ser feita contra um atleta ou oficial de uma equipe oponente, a queixa escrita deve ser acompanhada pela soma de 75 Euros em dinheiro ou quantia equivalente em qualquer moeda corrente. Se o Júri julgar em seu veredicto que a queixa é de natureza fútil (incoerente) ou maldosa, então uma porção ou a soma inteira poderá ser retida e doada para a IPF a critério do Júri.

 

ÁRBITROS

  1. Os árbitros devem ser em número de 3, o Árbitro Principal ou Árbitro Central e 2 árbitros laterais.

As credenciais dos árbitros, e do controlador técnico, devem estar em dia e colocadas sobre a mesa do Júri.

  1. O Árbitro Principal é responsável por dar os sinais necessários para todos os 3 levantamentos.
  2. Os sinais requeridos para os 3 levantamentos são os seguintes:

Levantamento

Início

Término

Agachamento

Um sinal visual consistindo de um movimento do braço para baixo juntamente com o comando audível “squat”(agache).

Um sinal visual consistindo de um movimento do braço para trás juntamente

com o comando audível “rack”(guarde).

Supino

Um sinal visual consistindo de um movimento do braço para baixo acompanhado do comando audível “start”(comece).

Durante:

O comando audível “press”(sobe) depois que a barra estiver imóvel no peito, e um movimento ascendente do braço.

Um sinal visual consistindo de um movimento do braço para trás acompanhado do comando audível “rack”(guarde).

Terra

Nenhum sinal é necessário.

Um sinal visual consistindo de um movimento do braço para baixo acompanhado do comando audível “down”(desce).

Quando o atleta falhar em completar o agachamento ou supino o comando é “rack” (guarde).

  1. Uma vez a barra reposicionada nos suportes ou na plataforma no final do levantamento, os árbitros anunciarão suas decisões por meio de luzes. Branca para “levantamento válido” e vermelha para “levantamento não válido”. Os cartões serão então levantados para indicar a razão de não ter sido  válido.
  1. Os três árbitros podem se sentar onde consideram ser a posição, em volta da plataforma em uma variação não superior a quatro metros, para visualizar melhor cada um dos três levantamentos. No entanto, o Árbitro Principal deve sempre ter em mente a necessidade de estar visível ao atletas que estiver realizando agachamento ou terra, e os árbitros laterais devem sempre ter em mente que precisam estar visíveis ao Árbitro Principal para que ele possa ver seus braços serem levantados.
  1. Antes da competição, os 3 árbitros devem juntamente certificar que:
  • A plataforma e equipamentos da competição cumprem a regra em todos os pontos. Barras e discos foram examinado para discrepância de peso e descarte de equipamento defeituoso. Uma segunda barra e molas devem estar prontas e disponíveis em caso de dano na barra e discos originais.
  • As balanças funcionam corretamente e estão precisas (com certificado atual).
  • Os atletas sejam pesados dentro dos limites de peso e tempo para sua categoria de peso.
  • As roupas e equipamento pessoal do atleta foram inspecionados para cumprir a regra em todos os pontos. É dever do atleta assegurar que todos os itens que deseja usar na plataforma tenham passado pelo exame minucioso dos árbitros examinadores. Atletas descobertos vestindo ou usando equipamento que não foram examinados podem ser penalizados, por exemplo, com a desqualificação da última tentativa.
  1. Durante a competição, os 3 árbitros devem juntamente se certificar que:
  • O peso da barra carregada é o mesmo que o anunciado pelo locutor. Os árbitros podem receber planilhas de carga para essa finalidade. É responsabilidade de todos os 3árbitros.
  • Na plataforma, a roupa e equipamento pessoal do atleta estejam de acordo com as regras. Se qualquer árbitro tiver motivo para duvidar da integridade do atleta a esse respeito, ele deve, após o término do levantamento, informar ao Árbitro Principal sua suspeita. O presidente do Júri deve então examinar o equipamento pessoal do atleta. Se ele estiver vestindo ou usando qualquer item ilegal a não ser aquele que pode ter passado inadvertidamente pelos árbitros examinadores, o atleta será desqualificado imediatamente da competição. Se estiver vestindo qualquer item ilegal que passou por engano pelos árbitros examinadores, e o levantamento no qual foi feita a descoberta foi bem sucedido, o resultado deste levantamento será rejeitado e o atleta será beneficiado com uma nova tentativa (com o item ilegal removido) no final da round. Se um Controlador Técnico estiver trabalhando, o equipamento do atleta será examinado antes que ele (a) seja autorizado a subir na plataforma.
  1. Antes do início do agachamento ou supino os árbitros laterais levantarão um braço, e o manterão elevado até que o atleta esteja em posição correta para iniciar o levantamento. Se entre os árbitros a opinião da maioria for de que a falta existe, o Árbitro Principal não dará o sinal para o início do levantamento. O atleta tem o resto do tempo não expirado para corrigir a posição da barra ou sua para então receber o sinal para começar. Uma vez iniciado o levantamento, os árbitros laterais não poderão chamar a atenção para faltas durante a execução do levantamento.
  1. Os árbitros devem se abster de comentários e não receber qualquer documento ou comentário verbal sobre o progresso da competição. Portanto, é essencial que o número de ordem/lote de cada atleta acompanhe seu nome na tabela de pontuação para que os árbitros possam acompanhar a ordem de levantamento.
  1. Um árbitro não pode tentar influenciar as decisões dos outros árbitros.
  1. O Árbitro Principal pode consultar os laterais, o Júri ou qualquer oficial se necessário para acelerar a competição.
  1. O Árbitro Principal pode, a seu critério, ordenar que a barra e/ou a plataforma sejam limpas. Se o atleta ou treinador pedirem que a barra e/ou a plataforma sejam limpas, o pedido deve ser feito para o Árbitro central/controlador técnico e não para os auxiliares. Na round final do Terra a barra deve ser limpa antes de cada tentativa, e em qualquer um dos outros dois rounds caso solicitada pelo atleta ou seu técnico.
  1. Depois da competição, os 3 árbitros devem assinar a folha de pontuação oficial, certificados de recordes ou qualquer outro documento que necessite suas assinaturas.
  1. Em competição Internacional, os árbitros serão selecionados pelo Comité Técnico e devem provar sua competência em Campeonatos Internacionais e Nacionais.

Em Competição Internacional, 2 árbitros da mesma nacionalidade pode ser selecionado para julgar em um concurso onde mais de uma seleção compete, e a seleção que os árbitros representam não tem atletas nomeados para o Campeonato.

Se uma categoria é composta por mais de um grupo todos os grupos devem ter os mesmos árbitros. Se a mudança de árbitros tem que ser feita ela deve ocorrer somente entre as disciplinas, de modo que todos os atletas tenham os mesmos árbitros na mesma disciplina.

  1. A seleção de um árbitro para ser Árbitro Principal em uma categoria não impede sua seleção como árbitro secundário em outra categoria.
  1. Em Campeonatos Mundiais, ou qualquer campeonato em que tentativas para recordes mundiais estiverem para ser feitos, apenas árbitros categoria 1 ou categoria 2 da IPF julgarão. Cada seleção pode indicar um máximo de 3 árbitros para trabalharem em Campeonatos Mundiais, mais árbitros que poderão servir (trabalhar) como Júri, se houver número insuficiente. Todos os árbitros nomeados a atender no campeonato devem estar disponíveis por no mínimo dois dias.
  1. Árbitros e membros do Júri estarão uniformizados como segue:

Homens – Inverno: Blazer azul escuro com emblema da IPF apropriado no peito esquerdo, calça cinza com uma camisa branca e gravata da IPF adequada.

Homens – Verão: Camisa branca e calça cinza e gravata da IPF adequada. (não jeans)

Mulheres – Inverno: Blazer azul escuro com emblema apropriado da IPF no peito esquerdo, saia ou calça cinza, blusa ou camisa branca e lenço/gravata apropriado.

Mulheres – Verão: Saia ou calça cinza e blusa ou camisa branca.

Os emblemas e gravatas/lenços da IPF são vermelhos para os árbitros categoria 1 e azuis para árbitros categoria 2 . O Júri determinará se o uniforme de verão ou inverno será usado. Calçados desportivos, conhecidos como “tênis”, não combinam com Blazer e Calça! Sapatos sociais/diurno pretos e meias pretas deverão ser usados.

  1. As qualificações para Árbitro categoria 2 são as seguintes:
  • Ser um árbitro nacional com no mínimo dois anos de experiência, tendo exercido a posição de árbitro com no mínimo dois Campeonatos Nacionais dentro deste período.
  • Deve ser recomendado pela sua Federação Nacional.
  • Deve fazer o exame escrito/computadorizado em inglês e prático para categoria 2 em Campeonato Mundial, Continental ou Regional,
  • Deve alcançar uma pontuação de 90% ou mais nos exames escrito e 85% ou mais no exame prático.
  1. As qualificações para Árbitro categoria 1 são as seguintes:
  • Deve ser um árbitro categoria 2 na ativa por um período mínimo de 4anos.
  • Deve ter julgado no mínimo 4 Campeonatos Internacionais (excluindo o Campeonato de Supino Mundial).
  • Deve fazer o exame prático e exame escrito/computadorizado para categoria 1 em qualquer Campeonato Mundial (excluindo o Campeonato Mundial de Supino), Campeonato Internacional, Jogos Regionais ou Torneio Internacional.
  • Deve julgar pelo menos 75 tentativas, 35 das quais devem ser agachamento, enquanto servir como Árbitro Principal. A 1ª round de tentativa dos atletas será contado.
  • O candidato receberá também 25 pontos/marcas, e será examinado por competência pelo(s) examinador(es) durante checagem de equipamento, pesagem e enquanto sentado na plataforma. Redução de 0,5 (meio ponto/marca), será feita para qualquer erro que infrinja as regras técnicas. O examinador será um membro do Comité Técnico da IPF ou um Oficial indicado pelo Comité Técnico da IPF.
  • O candidato deve fazer no mínimo 90% do total de seu exame, isso inclui 75 pontos pelas decisões tomadas na plataforma comparadas com as dos membros do Júri e não com aquelas dos árbitros companheiros de plataforma. Os outros 25 pontos vêm de suas decisões e performance nos serviços necessários, por exemplo: controlo de equipamento, pesagem e controle da plataforma.
  • Deve ser indicado pela sua Federação Nacional ao Presidente do Comité Técnico e ao Diretor de Árbitros três meses antes de seu exame. As bases para indicação devem ser:
  1. Competência do candidato como árbitro.
  2. Colocação anterior como categoria2.
  3. Disponibilidade para arbitrar em futuros eventos internacionais.
  4. Conhecimento da língua inglesa.
  • A exigência do candidato a árbitro categoria 1 falar bem em inglês, para que ele possa compreender corretamente os litígios, especialmente quando solicitado a trabalhar no Júri. Neste contexto os examinadores vão decidir a fluência do candidato. Se o candidato for aprovado no exame para categoria 1 e não fala inglês fluente ele será um árbitro categoria 1 Regional e só poderá compor o júri em campeonatos Regionais e Nacionais.
  1. A seleção de um candidato para exame pela IPF será sujeita aos seguintes critérios:
  • número de indicações recebidas;
  • número disponível de posições para exame;
  • os requisitos atuais para árbitro categoria 1 entre as várias nações.
  1. Os procedimentos dos testes são os seguintes:
  • Categoria 2 – Um exame escrito/ computadorizado em inglês será dado somente depois que uma completa e abrangente clínica de regras tenha sido conduzida por um árbitro categoria 1 aprovado, que tenha sido indicado como Examinador Principal pelo Comité Técnico da IPF e pelo Diretor de Arbitragem.

Um exame prático será dado depois do exame escrito/ computadorizado durante a competição, o candidato sentará ao lado do(s) árbitro(s) e irá julgar um total de 100 tentativas, 40 das quais devem ser de agachamento. O candidato deve ser examinado pelo Júri e deve acertar no mínimo 85% de suas decisões quando comparado com a maioria dos  árbitros examinadores. O julgamento começará no primeira round de tentativas.

O exame escrito/computadorizado e prático para categoria 2 será realizado apenas em conjunto com as organizações de Campeonatos Internacionais ou Regionais.

  • Categoria 1 – Um exame prático e exame escrito/computadorizado será dado a um candidato em qualquer Campeonato Mundial (excluindo o Campeonato Mundial de Supino), Campeonato Continental, Jogos Regionais e Torneios Internacionais. O candidato será examinado pelo Júri. O candidato deve acertar no mínimo 90% de todas as suas decisões quando comparado com a maioria dos membros do Júri examinador, isso inclui examinar a competência do candidato em lidar com todos os outros serviços, como examinar o equipamentos e procedimentos de pesagem. A 1ª round de tentativas não será contado. O julgamento começa na primeira round de tentativas.
  1. A taxa de exame deve ser paga ao Tesoureiro da IPF antes do exame. Todas as folhas de pontuação de exame serão corrigidas pelo(s) árbitro(s) examinador(es). Quando a correção estiver completa, o candidato será informado do resultado. As folhas corrigidas serão enviadas ao Diretor de Arbitragem. As taxas serão enviadas para o Tesoureiro da IPF.
  1. Após receber os resultados do exame, o Diretor de Arbitragem informará ao Secretário Nacional da Federação do candidato os resultados e enviará as credenciais adequadas ao candidato.
  1. Um candidato fazendo um exame prático será examinado pelo Júri (para Categoria 1) ou pelos árbitros examinadores indicados (para Categoria 2) para determinar seu sucesso ou fracasso.
  1. Ao passar no exame, a data de promoção do árbitro será a data de seu exame.
  1. Os candidatos que não passarem no exame poderão fazer a reescrita nos mesmos campeonatos e precisar pagar

   novamente pelo exame.

  1. Inscrição:
    • Todos os árbitros devem se re-inscrever com a IPF a fim de manter sua qualificação atual e num nível aceitável.
    • A re-inscrição deve ocorrer no primeiro de janeiro a cada ano olímpico.
    • ) Secretário Técnico em uma competição internacional deve enviar uma lista sob a forma de arquivo do Excel ao árbitro IPF Secretário dos árbitros participantes imediatamente após uma competição.
    • A Federação Nacional do árbitro é responsável por enviar a taxa de inscrição de 50 Euros para o tesoureiro da IPF e um currículo de sua experiência internacional e nacional durante o período de registro prévio ao Diretor de Arbitragem da IPF.
    • Um árbitro que tenha estado inativo por um período de quatro anos ou que deixar de se re-inscrever perderá suas credenciais. Terá, então, que fazer novamente os exames.
    • Um cartão que tenha sido emitido dentro dos doze meses anteriores ao primeiro de janeiro em cada ano olímpico não precisa ser renovado até o primeiro de janeiro do ano olímpico seguinte.
  2. O Diretor de Arbitragem da IPF deverá fornecer a cada Federação Nacional:
  • Uma lista atual de árbitros credenciados. Atualiza da anualmente.
  • Uma lista de árbitros que precisam se re-inscrever para que se mantenham credenciados.
  1. Árbitros Internacionais, tanto da categoria 1 como 2, devem ter arbitrado um mínimo de 2 campeonatos internacionais de powerlifting ou supino e 2 Nacionais durante o período de 4 anos entre os anos Olímpicos para serem aceitos em sua atualização de registro. Um campeonato Nacional de Supino é permitido. Uma competição sem equipamento é permitida para se reinscrever.

 

JÚRI E COMITÉ TÉCNICO

 

Júri

  1. Em Campeonatos Mundiais e Continentais, um Júri será indicado para presidir cada sessão de levantamento.
  2. O Júri consistirá de três ou cinco árbitros categoria 1, na ausência de um membro do Comité Técnico, o membro mais antigo dos três ou cinco será designado Presidente do Júri. A mesa com cinco árbitros só será montada em Campeonatos Mundiais Abertos Masculino e Feminino (Mundial Open) e nos Jogos Mundiais (WordGames).
  3. Os membros do Júri devem ser todos de nações diferentes com exceção do Presidente da IPF e do Diretor do Comité Técnico.
  4. A função do Júri é assegurar que as regras técnicas sejam aplicadas corretamente.
  5. Durante a competição o Júri pode, por voto da maioria, substituir qualquer árbitro cujas decisões, em sua opinião, provem que ele é incompetente. O árbitro deve receber uma advertência antes de qualquer ação de dispensa.
  6. A imparcialidade dos árbitros não pode ser duvidada, mas um erro na arbitragem pode ocorrer de boa fé. Nesse caso, deve-se permitir que o árbitro explique porque tomou a decisão que foi a causa de sua advertência.
  7. Se uma reclamação é feita ao Júri contra um árbitro, então o árbitro pode ser informado da reclamação. O Júri não deve colocar tensão desnecessária nos árbitros de plataforma.
  8. Se um erro sério ocorrer na arbitragem, o qual contrarie as regras técnicas, o Júri pode tomar as medidas necessárias para corrigir o erro. Eles podem, a seu critério, beneficiar o atleta com uma futura tentativa.

9.Apenas em circunstâncias extremas, quando houver um erro óbvio ou espalhafatoso na arbitragem, o Júri em consulta com os árbitros, e por unanimidade de votos do júri com (3) Membros do Júri ou com voto majoritário de cinco (5) Membros do Júri poderá reverter a decisão. Somente a decisão de 2 a 1 pelos árbitros pode ser considerada pelo júri.

Somente decisões de 2-1 dos árbitros podem se consideradas pelo Júri.

  1. Os membros do Júri estarão posicionados para garantir uma visão desimpedida da competição.
  2. Antes de cada competição, o Presidente do Júri deve se convencer que os outros membros do Júri têm um conhecimento completo de seu papel e qualquer regulamento novo que retifique ou complete aqueles contidos na edição atual do manual.
  3. A seleção de atletas para teste de droga (anti-doping) deve sempre ser feita pela Comissão de Doping.
  4. Se houver música para acompanhar os levantamentos, o Júri determinará o volume e a música deve parar quando o atletas pegar o peso da barra no supino e no agachamento ou começar a puxar a barra no terra.
  5. As credenciais dos árbitros serão assinadas ao final da categoria de peso.

Comité Técnico da IPF

  1. Consistirá de um Presidente, que será um árbitro categoria 1 eleito pela Assembleia Geral, e por até dez membros de várias nações indicados pelo Comité Executivo em consulta com o Presidente do Comité Técnico. E um representante dos atletas/técnicos.
  2. Será encarregado do exame de todos os requerimentos e propostas de natureza técnica entregues pelas federações afiliadas.
  3. Indica o Árbitro Principal, laterais e o Júri para os Campeonatos Mundiais.

Pode também designar Árbitros que estão presentes e não indicados por sua seleção e disponíveis em caso de Árbitros insuficientes

  1. Treina e instrui árbitros que ainda não chegaram no nível internacional e reavalia aqueles que já atingiram este nível.
  2. Informa a Assembleia Geral da IPF, Presidente e Secretário Geral através do Diretor de Arbitragem quanto a quais árbitros são elegíveis para arbitrar depois de exame ou reavaliação.
  3. Organiza cursos para árbitros antes de qualquer competição importante como Campeonatos Mundiais. Os custos envolvidos na organização de tais cursos ou práticas virá da Federação que organizá-los.
  4. Faz propostas a Assembleia Geral da IPF para retirar a credencial de um árbitro internacional quando julgar a ação necessária.
  5. Publica via Executivo, material de natureza técnica que trata de métodos de treinamento e realização de levantamentos de competição.
  6. (a) Será responsável por inspeccionar todo equipamento pessoal da competição como definido no manual. Além de equipamentos fornecidos por vários fabricantes com a única intenção de poderem usar as palavras “Aprovado pela IPF” em seus comerciais/propagandas. Se o(s) item(ns) entregue(s) estiver(em) de acordo com todas as regras e normalizações atuais da IPF, uma taxa por cada item será coletada pelo Executivo da IPF e um certificado de aprovação será dado pelo Comité Técnico.
  • No final de cada ano, uma taxa de renovação de cada item como a recolhida pelo Executivo da IPF deve ser paga à IPF com o fim de re-certificar a aprovação. Se o modelo foi mudado, o item deve ser entregue ao Comité Técnico para inspeção e re-certificação.
  • Se a qualquer momento depois que o certificado de aprovação foi entregue, o fabricante mudar o modelo do equipamento de competição ou pessoal que foi previamente submetido a aprovação e ele não estiver mais de acordo com as regras e regulamentos atuais da IPF, a IPF deve retirar a aprovação. A IPF não fornecerá outro certificado até que as mudanças no modelo (desenho) sejam corrigidas e o(s) item(ns) seja(m) submetido(s) à inspeção do Comité Técnico.

 

RECORDES MUNDIAIS E INTERNACIONAIS

 

Campeonatos Internacionais

 

   Os registos mundiais e internacionais só podem ser feitos nos registos acima mencionados. Os registos mundiais e internacionais só podem ser feitos nos nomes acima mencionados. Isto é, Campeonatos sancionados e reconhecidos pela IPF, Registos Mundiais e Internacionais serão aceitos sem pesar a barra ou o atleta, desde que o atleta tenha pesado corretamente antes da competição e que os árbitros ou o Comité Técnico tenham verificado o peso de a barra e os discos antes da competição. Os registros Masculinos e femininos de 50 – 59 excedendo os ganhos na faixa etária de 40 a 49 anos serão incluídos na categoria 40-49. Os recordes de 60-69 masculinos e femininos que excedam os ganhos entre os 50 e os 59 anos serão incluídos na categoria 50-59 e na categoria 40-49 e nas categorias Open, se for o caso. Os recordes demais de 70 anos entre homens e mulheres que excedam os ganhos na faixa etária entre 60 e 69 anos serão incluídos na categoria 60-69 e na categoria 50-59 ou 40-49. e nas categorias Open, se for o caso. Da mesma forma, os registos de Sub- Junior 14-18 que excederem os ganhos no grupo de juniores de 19 a 23 anos serão incluídos neste grupo.

Nota: A partir de 2021, começa a  registrar os recordes do World Games.

Os registos devem ser registrados naquela categoria de peso corporal à qual pertence o atleta de acordo com o seu peso corporal.

Os padrões de registo inicial devem ser iguais aos recordes mundiais no powerlifting, como em 14/07/2021 requerimentos para reconhecimento de um recorde mundial e internacional são os seguintes:

  • A competição internacional deve ocorrer com aprovação da IPF.
  • Cada um dos árbitros julgadores deve ter uma Credencial atual de Árbitro Internacional da IPF e ser membro de uma Federação Nacional associada à IPF. Deve haver árbitros de 3 nações diferentes na plataforma e deve haver 3 membros do Júri.
  • A boa fé e competência dos árbitros de todas as nações filiadas é inquestionável.
  • Apenas barras, discos e “Racks” indicados na lista atualizada de aparelhos e equipamentos aprovados pela IPF para uso em competições sancionadas pela IPF, como a lista atual, podem ser usadas para estabelecer Recordes Internacionais e Mundiais.
  • Recordes em levantamentos individuais devem ser acompanhados pelo total dos três levantamentos. Recorde só de Supino pode ser estabelecido em uma competição de Powerlifting, e não é necessário que o atleta obtenha um total, mas que tenha ao menos uma tentativa de boa fé no Agachamento e no Levantamento Terra.

(f)No caso de dois atletas solicitarem o mesmo peso para um novo recorde individual, e o primeiro obtiver sucesso, o     segundo atleta deve adicionar 0,5 kg serão adicionados pela secretária do computador (se não for um múltiplo de     2,5 kg),para confirmação de recorde. O detentor do registo é o atleta que totaliza o registo primeiro.    (h)Novos Registos só são válidos se excederem o registo anterior em pelo menos 0,5 kg.(f)  Se um atleta tentar estabelecer um recorde mundial no deadlift e for colocado no final da rodada em virtude de um    protesto, os atletas remanescentes do grupo que tentar o recorde mundial terão que aumentar sua tentativa em 0,5       kg. Se mais de um atleta está tentando estabelecer um recorde mundial na mesma disciplina e um atleta recebe uma nova tentativa em virtude de um protesto, o atleta deve seguir a si mesmo.(i) Todos os registos quebrados sob as mesmas condições que as listadas acima devem ser reconhecidos e registados.

  1. Recordes mundiais individuais de supino serão estabelecidos em campeonatos internacionais ou mundiais exclusivamente de supino. O mesmo critério se aplica a todos os recordes mundiais de powerlifting.
    • Se um atleta exceder o recorde individual de supino enquanto estiver participando de uma competição de powerlifting com os três levantamentos, ele pode reivindicar o recorde individual de supino, se ele realizou ao menos uma tentativa verdadeira tanto no Agachamento como no Levantamento Terra.
    • Se um atleta, em um campeonato individual de supino, exceder o recorde de supino de campeonatos de powerlifting, ele não pode reivindicar o recorde de supino de campeonatos de powerlifting.

PARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on tumblr
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email