LEVANTAMENTOS E REGRAS DE EXECUÇÃO

AGACHAMENTO

 
  1. O Atleta deve estar voltado para a frente da plataforma. A barra deve ser apoiada horizontalmente nos ombros, com as mãos e dedos segurando a barra. As mãos podem estar posicionadas em qualquer lugar na barra entre ou em contato com os colares internos.
  1. Depois de tirar a barra dos suportes, (o atleta pode receber ajuda na remoção da barra dos suportes pelos auxiliares) o atleta deve se mover para trás para estabelecer a posição inicial. Quando o atleta estiver imóvel, direito (ligeiro desvio é permitido) e com os joelhos estendidos o Árbitro Chefe dará o sinal para o início do levantamento. O sinal deverá consistir de um movimento do braço para baixo e do comando audível “squat” (agache). Antes de receber o sinal para “agachar” o atleta pode fazer qualquer ajuste de posição dentro das regras, sem penalidade. Por razões de segurança será solicitado ao atleta que guarde a barra, junto com um movimento de braço para trás, se após um período de 5 segundos ele não estiver na posição correta para começar o levantamento. O Árbitro Chefe então dirá o motivo pelo qual o sinal para início não foi dado.
  1. Quando receber o sinal do Árbitro Chefe o atleta deve flexionar os joelhos e abaixar o corpo até que a superfície das pernas na junção com o quadril esteja abaixo da linha do topo dos joelhos. Apenas uma tentativa de descida é permitida. É considerado o começo da tentativa quando os joelhos do atleta iniciarem a flexão.
  1. O atleta deve voltar para uma posição ereta com os joelhos estendidos quando quiser. Balanço/impulso duplo na parte mais inferior da tentativa de agachamento ou qualquer movimento para baixo não é permitido. Quando o atleta estiver imóvel (na posição final aparente) o Árbitro Chefe dará o sinal para guardar a barra no suporte.
  1. O sinal para guardar a barra no suporte consistirá de um movimento com o braço para trás e do comando audível “rack” (guarde). O atleta deve então se mover para frente e recolocar a barra nos suportes. Movimento dos pés após o comando “rack” (guarde) não é motivo para invalidar o movimento. Por razões de segurança o atleta pode pedir ajuda dos auxiliares para retornar e recolocar a barra nos suportes. O atleta deve ficar com a  barra durante esse processo.
  1. Não mais do que cinco e não menos que dois auxiliares devem permanecer na plataforma em qualquer momento. Os árbitros podem decidir quando ao número de auxiliares requisitados na plataforma em qualquer momento, se 2,3,4 ou 5.

 

Causas de desqualificação no Agachamento

 
  1. Falha em notar os sinais do Árbitro Chefe no começo ou término  do atleta.
  2. Balanço/impulso duplo na parte mais inferior do levantamento, ou qualquer movimento para baixo durante a subida.
  3. Falha em assumir uma posição ereta com os joelhos estendidos no início ou término do atleta.
  4. Dar um passo para frente ou para trás ou movimento lateral da sola dos pés. Balanço dos pés entre a ponta e os calcanhares são permitidos.
  5. Falha em flexionar os joelhos e descer o corpo até que o topo da superfície das pernas na junção com o quadril esteja abaixo a linha do topo dos joelhos, como mostrado no diagrama.
  6. Contato da barra ou atleta com os auxiliare, entre os sinais do Árbitro Chefe, para tornar o levantamento mais fácil.
  7. Contato dos cotovelos ou braços com as pernas. Leve contato é permitido se não houver apoio que possa auxiliar ou oferecer vantagens ao atleta.
  8. Qualquer queda ou lançamento da barra depois do término do movimento.
  9. Falha em realizar qualquer um dos itens citados em regras de execução.

Os diagramas a seguir mostram a posição típica, mas não obrigatória, da barra e a profundidade requerida no agachamento.

 

SUPINO

 
  1. O banco deve estar na plataforma com a cabeça para frente ou num ângulo de 45 graus. O Árbitro Chefe deve se posicionar no lado da cabeça do banco de supino do rack.
  2. O atleta deve deitar de costas com a cabeça, os ombros e as nádegas em contato com a superfície do banco. Os pés devem estar retos no chão (tão retos quanto a forma do calçado permita). Suas mãos e dedos devem pegar a barra posicionada nos suportes com os polegares dando a volta na barra (pegada fechada). Essa posição do corpo deve ser mantida durante todo o levantamento. Movimentos dos pés são permitidos desde que permaneçam planos na plataforma. O cabelo não deve esconder a parte de trás da cabeça quando deitado no banco. O júri ou árbitros podem requerer que o cabelo seja ajustado de acordo.
  1. Para conseguir firmar o pé o atleta pode usar placas com a superfície plana ou blocos não excedendo 30 cm de altura no total, com uma dimensão mínima de 60 cm por 40 cm, para elevar a superfície da plataforma. Blocos de 5 cm, 10 cm, 20 cm, 30 cm, devem estar disponíveis para colocação dos pés em todas as competições internacionais.
  1. Não mais que cinco e não menos que dois auxiliares devem estar na plataforma em qualquer momento. Depois de se posicionar corretamente, o atleta pode solicitar ajuda dos auxiliares na remoção da barra dos suportes. A retirada se assistida pelos auxiliares deve ser efetuada com o comprimento dos braços.
  1. O espaçamento das mãos não deve exceder 81 cm medidos entre os dedos indicadores (ambos os indicadores devem estar na marca de 81 cm e os indicadores inteiros devem estar em contato com a marca de 81cm se a pegada máxima for utilizada). O uso da pegada reversa é proibido.
  1. Depois de tirar a barra dos suportes, com ou sem a ajuda dos auxiliares, o atleta deve aguardar o sinal do Árbitro Chefe com os braços estendidos e cotovelos travados. O sinal será dado assim que o atleta estiver imóvel e a barra posicionada propriamente. Por razões de segurança, será requerido ao atleta para guardar a barra, juntamente com um movimento do braço para trás, se depois de um período de 5 segundos ele não estiver na posição correta para iniciar o levantamento. O Árbitro Chefe então dará a razão pela qual o sinal para início não foi dado.
  1. O sinal para iniciar a tentativa deve consistir num movimento do braço para baixo juntamente com o comando audível “start” (comece).
  1. Depois de receber o sinal o atleta deve descer a barra até o peito ou abdômen (a barra não deve tocar o cinto) e segurá-la imóvel, após o qual o Árbitro Chefe dará o comando audível “press”(sobe). O atleta deve então retornar a barra ao comprimento dos braços, com os braços estendidos e cotovelos travados. Quando segura nessa posição imóvel, o comando audível “rack” (guarde) será dado juntamente com um movimento do braço para trás. Se a barra descer ao cinto ou não tocar no peito ou a área abdominal o comando do Árbitro Chefe será “rack”(guarde).

 

Regras para deficientes competindo em campeonatos (apenas) de Supino da IPF.

 

Campeonatos de Supino devem ser organizados sem divisão especial para atletas deficientes (incapazes), por exemplo cegos, deficientes visuais, deficientes em movimentar-se. Eles podem ser assistidos até o banco e para sair dele. Assistidos, no sentido de “com a ajuda do técnico e/ou com o uso de muletas, bengalas ou cadeira de rodas”. As regras da competição são as mesmas aplicadas aos capazes. Para atletas que tiverem um membro inferior amputado, uma prótese será considerada como um membro natural. O atleta deve ser pesado sem o aparelho,  com peso compensatório adicionado de acordo com a já estabelecida tabela de frações, ver item 5 de PESAGEM. Para atletas com membros inferiores defeituosos que necessitam de aparelhos ou similares para andar), o aparelho será considerado parte do membro natural e o atleta será pesado usando o aparelho.

Causas para desqualificação no Supino

  1. Falha em observar os sinais do Árbitro Chefe no início, durante e no término do atleta.
  2. Qualquer mudança na posição de levantamento escolhida durante o levantamento propriamente dito, por exemplo: qualquer elevação da cabeça, dos ombros e/ou nádegas do banco ou movimento lateral das mãos na barra.
  3. Impulso ou descida da barra para o peito ou abdómen depois de imobilizada de forma que torne o levantamento mais fácil.
  4. Qualquer movimento da barra para baixo enquanto estiver sendo levantada/pressionada.
  5. A barra não desce até o peito ou abdómen (i.e. não alcançar o peito, abdómen ou a barra tocar o cinto).
  6. Falha em elevar a barra com completa extensão dos braços e cotovelos travados no final do levantamento.
  7. Contato dos auxiliares com a barra ou o atleta entre os sinais do Árbitro Chefe, de forma que facilite o levantamento.
  8. Qualquer contato dos pés do atleta com o banco ou seus suportes. Levantar os pés não é permitido. Movimento dos pés é permitido, mas tem que manter contato total da sola com a plataforma.
  9. Contato deliberado entre a barra e o suporte para barra.
  10. Falha em cumprir qualquer um dos itens descritos em regras de execução.

 

TERRA

 
  1. O levantador deve estar voltado para a frente da plataforma, com a barra apoiada no solo horizontalmente na frente dos pés do levantador, segura com uma pegada opcional com ambas as mãos e levantada até que o levantador fique ereto.
  2. No final do levantamento os joelhos devem estar travados numa posição estendida, em posição reta e os ombros para trás.
  3. O sinal do Árbitro Chefe consistirá de um movimento do braço para baixo e um comando audível “down”(desce). O sinal não será dado até que a barra esteja segura imóvel e o levantador esteja aparentemente na posição final.
  4. Qualquer elevação da barra ou qualquer tentativa deliberada para elevá-la será considerada uma tentativa. Uma vez iniciada a tentativa, nenhum movimento para baixo é permitido até que o levantador atinja a posição ereta com os joelhos travados. Se a barra assentar (descer) quando os ombros forem para trás, isso não será razão para desqualificar o levantamento.

 

Causa para desqualificação no Terra

  1. Qualquer movimento da barra para baixo antes de chegar à posição final.
  2. Falha em ficar ereto com os ombros para trás.
  3. Falha em travar os joelhos estendidos no fim do levantamento.
  4. Apoiar a barra nas coxas durante a realização do levantamento. Se a barra encostar nas coxas, mas não for apoiada, isso não é razão para desqualificação. O atleta será beneficiado em todas as decisões tomadas pelo árbitro se houver dúvida.
  5. Pisar para trás ou para frente ou movimento lateral do pé. Balanço dos pés entre a ponta do pé e o calcanhar é permitido. Movimento dos pés após o comando “desce” não é motivo para invalidar o movimento.
  6. Abaixar (descer) a barra antes de receber o sinal do Árbitro Chefe.
  7. Permitir que a barra volte à plataforma sem manter o controle com ambas as mãos, por exemplo: soltar a barra das palmas das mãos.
  8. Falha em cumprir qualquer um dos itens descritos em regras de execução.

 

PARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on tumblr
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email